Sindicaixa e Sindsepe-RS discutem Campanha Salarial e Dia Nacional de Lutas dos Servidores em Assembleia Geral Unificada

13.Agosto.2021

De modo virtual, mais de 250 colegas participaram da Assembleia Geral Unificada que discutiu, no começo da noite da quinta-feira (12), a Campanha Salarial dos servidores e das servidoras, representados pelo Sindicaixa e pelo Sindsepe-RS.

O presidente do Sindicaixa, Érico Corrêa, iniciou a sessão citando a crise econômica, sanitária e social que atinge o Brasil de forma severa, desde março de 2020, em meio ao agravamento da polarização política com as últimas eleições presidenciais.

Érico lembrou que durante todo o ano passado, tão logo encerrada a greve contra o "Pacote da Morte", a luta foi pela sobrevivência, contra a pandemia de Covid 19. As duas categorias lutaram para sobreviver, e no meio do caminho perderam tragicamente muitos colegas para a Covid-19. “Infelizmente muitos não sobreviveram. Aos colegas que tombaram, a nossa homenagem e respeito. Agora, mesmo ainda sem as condições ideais, vamos cobrar do governador os nossos direitos", afirmou.|

A presidente do Sindsepe-RS, Diva Luciana da Costa, frisou que os servidores públicos infelizmente são ‘a bola da vez’ nos níveis estadual e federal. “A Reforma Administrativa, que o Leite já fez aqui no Estado, e que Bolsonaro está fazendo terrorismo com a PEC 32 no país inteiro, vai causar enormes prejuízos para a população brasileira.”

Segundo Diva, o governo privatista de Eduardo Leite, inimigo dos servidores e das servidoras, é  responsável por grande parte da defasagem acumulada de quase 50% dos salários do funcionalismo, pelo confisco salarial dos aposentados e pelos vencimentos básicos inferiores ao salário mínimo.

“Não dá mais pra aceitar esse arrocho, as mentiras e essa política destruidora implementada pelo governo. Apesar das dificuldades de mobilização em meio à pandemia, esse é o momento de irmos pra cima do governo Leite, enfatizando as maldades que eles produziram e continuam produzindo contra nós”, concluiu.

Após as falas de abertura, a sala virtual foi aberta para a exposição da pauta de reivindicações, que contempla:

1) Reposição Inflacionária de 45% referente ao período 2014/2021;
2) Correção do valor do vencimento básico recebido pelos servidores e pelas servidoras em atividade e aposentados, para que o valor do mesmo não seja inferior ao salário mínimo;
3) Fim dos descontos previdenciários para as servidoras aposentadas e os servidores aposentados, garantindo a irredutibilidade salarial;
4) Reorganização dos quadros dos servidores e servidoras em atividade e aposentados e aposentadas a fim de corrigir disparidades salariais e injustiças referentes a incorporações de gratificações, parcela autônoma e outras vantagens para garantir a irredutibilidade salarial no momento da aposentadoria;
5) Pagamento da GISAE para servidoras aposentadas e para servidores aposentados, conforme legislação aprovada na Assembleia Legislativa;
6) Manutenção do IPE público, com reabertura dos escritórios no interior e ampliação da rede conveniada;
7) Instituição da data-base para a revisão dos salários, com negociação coletiva.
 

Após a apresentação da pauta de reivindicações, foi apresentada a agenda de mobilização, que começa no próximo dia 16/8 com uma live de lançamento da Campanha Salarial, às 19h, transmitida pelas redes sociais dos sindicatos. O evento contará com a presença de Ricardo Franzoi, supervisor regional do DIEESE, que irá discorrer sobre as aspectos fundamentais da economia do Rio Grande do Sul.

No dia 18/8, os sindicatos irão entregar esta pauta ao governo. Assim, farão uma vigília na Praça da Matriz, a partir das 13 horas. É fundamental a participação do maior número possível de servidores e servidoras. 

Após a abertura dos microfones da assembleia para dúvidas e falas dos participantes, Érico Corrêa falou ainda sobre a dinâmica e configuração da Campanha Salarial. “A nossa campanha não será feita de joelhos. Não vamos nos apresentar como coitadinhos para o governo. Somos trabalhadores e vamos exigir nossos direitos. Não existe isso de ser ‘amiguinho’ do governo.  O papel dos sindicatos é organizar as categorias e lutar por reposição salarial", ressaltou.

A presidenta do Sindsepe-RS enfatizou a importância da mobilização, destacando a necessidade da presença do funcionalismo público em peso, principalmente na entrega da pauta de reivindicações, no Palácio Piratini, no dia 18 de agosto.

Agenda de mobilização da Campanha Salarial

16/08 - Live de lançamento da campanha salarial, às 19h, transmitida pelas redes sociais dos sindicatos;

18/08 - Dia Nacional de Luta dos(as) servidores(as) públicos(as) das três esferas;   

11h - Ato Unificado em frente ao hospital de pronto socorro em Porto Alegre;

13h - Concentração e vigília na Praça da Matriz;

15h - Ato da campanha salarial na Praça da Matriz e entrega da pauta de reivindicações;

18h - Caminhada unificada pelo centro de Porto Alegre contra a PEC 32, concentração na esquina democrática.

Icons made by Bullseye from www.flaticon.com is licensed by CC 3.0 BY